A enclavar desde 2005

«São meus discípulos, se alguns tenho, os que estão contra mim, porque esses guardaram no fundo da alma a força que verdadeiramente me anima e que mais desejaria transmitir-lhes: a de se não conformarem.»
Professor Agostinho da Silva





20 julho 2011

Pais contra troca de professores

«Um grupo de pais da APPC (Associação Portuguesa de Paralisia Cerebral) de Faro está indignado com a troca de professores da instituição devido à lei da mobilidade imposta pelo Ministério da Educação (ME).


"Há professores há 20 anos aqui e as crianças precisam desta estabilidade. Se vierem professores novos, sem experiência, as crianças vão regredir", disse ao CM Fátima Tomás, mãe de um dos alunos. Os quatro professores responsáveis pelos 18 alunos da vertente da educação da APPC Faro vão ter de concorrer aos seus antigos postos nas respectivas escolas.


"Há falta de sensibilidade no ME", acusou ainda Fátima Tomás. Contactado pelo CM, Carlos Rodrigues, presidente da APPC, disse já ter sido feita, em Março, uma exposição ao ME, mas ainda não obteve resposta. »



NOTAS:


1 - A referida lei da mobilidade foi imposta em 2007, no Estatuto da Carreira Docente que levou dezenas de milhar de professores à rua (muitos críticos julgavam que os "profs" apenas não queriam ser avaliados).


2 - A Instituição onde trabalhei 11 anos fez várias exposições, com fundamentações de várias páginas e dirigidas aos anteriores responsáveis pela Educação em Portugal e as respostas foram invariavelmente lacónicas e negativas.


3 - As relações de confiança, as vinculações e afiliações construídas ao longo de anos, são deitadas ao lixo de um momento para o outro, com a saída em simultâneo de todos os docentes destacados na Instituição. Nesta e em muitas outras por esse país fora.


4 - Se no meu caso e dos "meus" rapazolas a situação é grave, em casos como este reportado na imprensa, torna-se dramática. Imagine-se como pai de uma criança com paralisia cerebral e reperar que os professores que se dedicaram tantos anos, com progressos notáveis, são afastados apenas por um imperativo que desde 2007 impede que fiquem mais de 4 anos em mobilidade.

13 comentários:

Anónimo disse...

Amigo, se no teu caso até se pode ver o caso dessa maneira,há muito professor, que agora é que vão trabalhar.
Fazer e cumprir horários debater questões,etc.

Elisabete disse...

E tu, vais ter destacamento? Espero que sim.

manuel marques disse...

A culpa é do Sócrates.

Abraço.

JPG disse...

A culpa é do Sócrates e da Mª Lurdes Rodrigues, pois foram eles que deliberadamente adoptaram estas alterações ao Estatuto da Carreira Docente.

Para quem não sabe, o anterior governo permitiu que quem está fora da escola para estar em sindicatos, pois não lhes chama destacamentos, mas antes "ausência de componente lectiva", daí que por exemplo, o Mário Nogueira epossa estar há cerca de duas décadas sem dar aulas.

Também o anterior governo criou condições para que essa restrição do limite dos 4 anos seja ultrapassada em casos de superior interesse público, leia-se vereadores de Câmaras Municipais, Deputados, além de outros casos similares.

Ou seja, quem efectivamente exerce funções docentes junto de quem menos tem e mais necessita, corta com pessoas, já quem trabalha com papéis, pode continuar.

Era assim o pensamento "xuxalista" do "quase engº".

AJS disse...

Será que não haverá ainda tempo para emendar , ou melhor, salvaguardar casos desta especificidade?

Não deverá ser considerado "SUPERIOR INETERESSE PÚBLICO" o continuar do trabalho já alicerçado nestas ca(u)sas específicas?

Não será o SUPERIOR INTERESSE DAS CRIANÇAS E FAMÍLIAS respeitado?

Ainda acredito que há Gente neste país com capacidade de vistas largas.

Vejamos se tenho razão.

manuel marques disse...

Por isso eu disse que a culpa era do Sócrates, mas não vejo ninguém no atual governo com capacidade para resolver a questão,aos poucos eles irão dizendo que a culpa é dos outros,pois até pode ser, mas governar com os erros dos outros e tirar o cu para fora, até eu era capaz de ser ministro neste país do faz de conta.

Abraço.

JPG disse...

Como se costuma dizer "caiu-lhe o menino nas mãos".

Vamos ver se conseguem ultrapassar a situação em "contra-relógio", mas acredito que tenham muitas pressões para resolver muitos assuntos, não só na educação, em pouco tempo.

Já para o ano lectivo seguinte, espero (embora obviamente não me inclua a mim), que tenham a sensatez suficiente para resolver estes casos.

Abraço.

Anónimo disse...

Ao amigo Manuel fugiu-lhe a m-ao e escreveu sem querer ou por lapso,

Neste País.

Não quereria dizer?nesse País?

è que quem tira sempre o cú dos problemas são os que não estão para os suportar, ou não têm arrojo?

Digo eu!

Então vão embora e deixam os velhos cá, que é para nem eles lhe cheirarem mal.
*+ um problema para a nossa segurança social.

manuel marques disse...

Caro Anónimo:
Saí de Portugal á 21 anos e sabe porquê?
Porque apesar de ter capacidade e inteligência para singrar na vida nesse país, faltaram-me as cunhas,os padrinhos.Tudo o que sou tem sido conseguido com o meu esforço e trabalho,tenho dois filhos formados,ao 17 anos tinha o curso industrial ,fui sargento das forças armadas,fui evacuado da Guiné após 8 meses de comissão no mato,não no ar condicionada.Deixe-se de tretas já fiz mais por Portugal que toda essa geração á rasca toda junta.Passe bem e deixe-se de subtilezas utópicas.

manuel marques disse...

Caro Anônimo, suponho que saiba o que a palavra arrojo quer dizer.
(Ousadia, audácia.)Isto diz-lhe alguma coisa.
Penso que já não é a primeira vez que me tenta atingir através deste blog escondido atrás do seu anonimato. Fica já esclarecido que o conceito que eu tenho de um anônimo :
-"É mais fácil esconder a ignorância do que adquirir conhecimentos"
passemos adiante.
Arrojados são em seu entender quem nada faz pela vida,mas olhe que não.Arrojados foram aqueles que sem qualquer conhecimentos do mundo,sem saberem uma letra do tamanho de um comboio vieram por esse mundo fora ganhar a vida e meter muito dinheiro nos bancos em Portugal, e evitar que muitos parasitas por aí morressem de fome.Arrojados serão esses tais que se queixam de ser uma geração á rasca e que nada fazem pela vida nem em Portugal nem fora do país ,embora ao contrário dos outros tenham todos o 12º ano falem Inglês,Alemão,francês e toquem piano.É mais arrojado não saírem debaixo das saias da mãe e vegetar o rendimento minimo.
Você deve ser daqueles que fala como fala porque nasceu, não com o cu de fora ,mas com o cu cheio.
Você por acaso sabe que os Irlandeses estão em perfeita sintonia com aquilo que O grande Eça escreveu á mais de um século.Leia ,analise e pois cuspa para o ar.

Sempre ao seu dispor para qualuer esclarecimento.

Passe bem.

JPG disse...

Caro Manuel, peço desculpa por ter validado o comentário no "anónimo", mas por vezes a linha que separa uma saudável discussão de pontos de vista de um ataque pessoal é pouco clara.

Bom Domingo!

manuel marques disse...

Meu caríssimo amigo ,não tem de pedir desculpa,estamos cá para isso,claro sempre dentro do razoável,
Abraço.

Anónimo disse...

A verdade doi, não doi?-
e como doi.