A enclavar desde 2005

«São meus discípulos, se alguns tenho, os que estão contra mim, porque esses guardaram no fundo da alma a força que verdadeiramente me anima e que mais desejaria transmitir-lhes: a de se não conformarem.»
Professor Agostinho da Silva





28 junho 2017

Pois...

«Mesmo que os seus passos pareçam inúteis, vá abrindo caminhos. Outros te seguirão...»

Antoine de Saint-Exupéry

22 junho 2017

Não será demais???

A arte de bem saber "dividir para reinar" ou atirar fumo para os olhos dos outros não tem limites??? (isto não é governar, pois governar é gerir  prioridades e aumentar o bem estar das populações)

Pelos sindicatos...
(Simulação) de greve greve dos professores, pois os sindicatos (ao serviço do governo e não dos associados), teve uma péssima gestão das datas.

Pela opinião pública...
Ninguém pede contas aos altos dirigentes sobre os acontecimentos que ceifaram 64 vidas (parece que é o destino dos portugueses e foi apenas "azar"). 

Pela União Europeia...
Já ninguém pode falar mais de Mexias, de valores exorbitantes de rendas de energia, etc.


Pela comunicação social...
Mas vejam como a comunicação social pode ser ainda mais "fofinha"...
Noutros tempos, o título seria:

"Exportações à custa de salários miseráveis"


A "esquerdalha PCP" gritaria:

"O grande capital explora a classe operária"


A "esquerdalha BE" grasnaria:

"Patrões enriquecem à custa dos trabalhadores"


A verdade é que quase 2 anos depois de ter perdido as eleições, o PS ainda não descongelou as carreiras (pessoalmente ainda recebo menos que em 2015), não alterou os escalões do IRS (aposentados com reformas baixas receberam pela 1ª vez cartas para pagar) e ninguém diz nada, porque agora "isto está tudo muito melhor".

20 junho 2017

Exupéry era genial!!!

«Se quisermos um mundo de paz e justiça devemos resolutamente pôr a inteligência a serviço do amor»

Antoine de Saint-Exupéry

15 junho 2017

Só volto a "postar" aqui quando cumprirem :)

Por favor, leiam com atenção:

O orçamento participativo que o governo implementou, reuniu milhares de propostas de todo o país.
Muitas passaram a projetos e algumas centenas chegaram à fase de votação.

Como a Plataforma PAJE (nem qualquer Associação ou entidade) não pode apresentar, foi um seu elemento a título individual que o fez.

O processo de votação já começou e é muito simples (10 segundos), bastando ter presente o número do Cartão de Cidadão (incluindo os dígitos finais).

Vejam o link e façam o favor de partilhar (mesmo por e-mail), pois cada cidadão português só pode votar uma vez e se formos rápidos a divulgar junto dos nossos contactos, não corremos o risco de já o terem feito noutro projeto.

De Norte a Sul (e ilhas), todos podemos ajudar esta causa, bastando votar e, principalmente, enviar o link a todos os nossos contactos (mesmo aos que não têm facebook).

Vamos lá!!! Para votar, basta clicarem AQUI!!!
 Votar AQUI

14 junho 2017

Vai uma caminhada do melhor???


Caminhada solidária e de divulgação da Plataforma PAJE - Apoio a Jovens (Ex)acolhidos.

Ver mais AQUI!

Este percurso circular, tão perto de Coimbra, regista uma beleza singular, principalmente na época dos campos de arroz cheios de verde.

Custo: 10€ (inclui almoço: caldo verde, arroz de feijão e carne grelhada + fruta + bebidas)

Sócios PAJE pagam apenas 7,5€

13 junho 2017

Leis à medida

Se dúvidas houvesse...

Reparem que no mesmo dia saem estas duas pérolas no futebol nacional:

1 - Clubes que tenham claques ilegais não vão ter os estádios interditos

2 - Cigarros eletrónicos vão ser proibidos na zona técnica

Como sabemos, o clube "bormelho" é conhecido por ter claques ilegais.

Como também sabemos, o presidente do Sporting fuma cigarros eletrónicos na zona técnica.

Coincidências, como os vouchers, os e-mails, a fruta para dormir, Calabote, Calheiros, etc...

10 junho 2017

Das eleições...


Por ordem crescente... a política, os partidos, as eleições e as autárquicas conseguem pôr a nu o que de pior o ser humano tem!

Há quem faça da política um "Sporting X Benfica, agindo muito mais pela emoção e gosto pessoal, do que pelas ideologias e convicções.

Quando se aproximam actos eleitorais as coisas aquecem, mas as eleições autárquicas têm o dom de fervilharem pensamentos, discussões e até conflitos entre pessoas amigas, que se respeitam, mas acham natural, para terem mais uns votos, legitimarem picardias estéreis e que podem magoar terceiros.

Se para eleições nacionais e europeias, a expressão de Saramago tem cada vez mais sentido. Reparem que nos últimos anos não se discute se "A" ou "B" fez melhor, antes se "A" ou "B" roubou mais ou menos.

A classe política de uma maneira geral encontra-se num pântano e vai chafurdando, chegando mesmo a subverter valores morais na sociedade "já ouvi a propósito de escândalos de corrupção "fez ele muito bem! Os outros também fazem o mesmo!"

Bancos, Rendas de energia, escândalos vergonhosos que nem o "negócio" do sangue fica de fora.

Talvez por nunca ter sido militante de qualquer partido (não conseguiria, pois apesar de concordar com medidas de todos, não há um único no qual me reveja mais de 50%, daí não ser capaz de assinar qualquer proposta), já fui convidado por CDS/PSD/PCP/BE (o PS nunca o fez) para integrar/encabeçar listas.

Quero acreditar que não seja propriamente uma prostituta política (que vai com qualquer um), antes o reconhecimento que independentemente da ideologia em causa, poderia acrescentar algo.

Nunca aceitei, pois entendo que à frente das freguesias, cargo importante pela proximidade, conhecimento do terreno e das situações, deviam estar os melhores (e esses estão espalhados por várias candidaturas).

A cidade do Porto é governada por um independente, numa lista sem partido a suportar. Quando tal acontecer por onde vivo, pondero ter participação mais activa. Até lá, vou dando contributos sempre no sentido de melhorar o que vai sendo feito.

Aprecio a abnegação de quem se candidata, pois assumem posições, trabalham e respeito-os por isso. Mas a cada 4 anos confirmo que não tenho perfil para subserviência - é disto que se trata - quando se concorre com uma sigla por trás. Digiro mal sapos e fico mais confortável numa posição em que não tenha que defender vigaristas, só porque são "camaradas"!

Uma última palavra de apreço por aqueles que estando na política partidária, vão sabendo gerir os seus valores pessoais (que os têm) e ainda que em certos locais não o possam fazer, vão assumindo as suas posições (contra as pessoas dos partidos em que militam) junto de quem confiam.

Termino, poi mais parece um discurso daqueles que acusei :)

05 junho 2017

Considerem-se convidados, mesmo!!!


"A existência é tecida de transições, de mudanças, num mundo cada vez mais incerto, injusto e estranho. Esta Obra é dedicada à reflexão sobre as crianças e os jovens que tendo ficado na margem acabaram por ser arrastados pelo rio da Solidão. E ao desaguar no mar são náufragos de si. Mas há sempre alguém que está na praia da esperança, para acolher estes frágeis seres(...)"